quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

A origem do Lobisomem, verdade ou mito? Parte 2


Uivem parceiros! o/ Continuando com a postagem anterior: A origem do Lobisomem, verdade ou mito? pra quem ainda não leu clique aqui.
---->

Existem muitas reivindicações famosas de licantropia que tiveram lugar durante essas caças aos lobisomens. Em 1573, um suposto lobisomem, Gilles Garnier, foi queimado na estaca. Em 1589, um homem conhecido como Stubbe Peter ou Peter Stubbe, foi executado perto de Colônia, Alemanha, por canibalismo e por múltiplos assassinatos. Alegou-se que ele possuía um cinto que lhe permitia tornar-se lobisomem. Em 1603, um jovem chamado Jean Grenier foi responsabilizado por uma série de assassinatos e desaparecimentos. Dizia-se que ele possuía uma pele que lhe permitia transformar-se em lobo. A corte determinou que Grenier era insano e o confinou em um monastério.



Na França, entre 1520 e 1630, mais de 30.000 casos de pessoas que foram acusadas de serem - ou de aparentarem ser - lobisomens foram registrados. Tal como na caça às bruxas, em relação à caça aos lobisomens provavelmente existiram vários casos como esse simultaneamente:



  • Hipertricose: uma doença genética ligada ao cromossomo X que pode provocar o crescimento de cabelo espesso na face e no corpo das pessoas. Pessoas com esta condição podem se parecer fisicamente com lobisomens, mas é algo extremamente raro. Uma variação da hipertricose congênita generalizada é conhecida por afetar somente 19 pessoas em uma família mexicana.
  • Envenenamento por ergotina: a ergotina é um fungo que pode infestar grãos como cevada e trigo. Comê-los pode provocar alucinações. O envenenamento por ergotina também foi apontado como a causa de condenações de bruxaria em Salem, Massachusetts.
  • Raiva: muitos mamíferos podem carregar e transmitir raiva, normalmente através da mordida. A raiva é fatal sem tratamento imediato. Nos estágios mais avançados, ela pode provocar agitação e alucinações. A epidemia de raiva pode ter levado lobos e cães a atacar humanos, o que pode tê-los levado a apresentar tendências semelhantes a lobisomens.
  • Lobos híbridos: os lobos saudáveis geralmente não atacam pessoas sem serem provocados, mas híbridos agressivos de lobos e cães podem ter atacado vilas, fazendo surgir a ideia da existência de lobisomens violentos.
  • Porfiria: uma condição sobrenatural associada com mais frequência à porfiria é o vampirismo. A porfiria provoca sensibilidade à luz. Em alguns casos, a exposição à luz do sol provoca lesões e bolhas, que podem desenvolver um cabelo fino durante a cura. A porfiria em estágio avançado também pode levar a alucinações.
  • Histeria coletiva: tão improvável quanto o nome diz, o começo súbito, simultâneo, de sintomas psicológicos em um grande grupo de pessoas é um fenômeno registrado.

Contudo, a crença de que os lobisomens são reais não está confinada ao passado distante. Na década de 1930, pesquisadores trabalhando na parte da África conhecida atualmente como Gana registraram uma crença generalizada que falava da existência de pessoas que poderiam transformar-se em hienas. Esses mutantes eram normalmente bruxos que viviam nas savanas. Mais recentemente, na década de 1980, uma prática obscura na Península Ibérica - parte da Europa que inclui Espanha e Portugal - tinha a intenção de prevenir que as crianças se transformassem em lobisomens. Esta prática envolveu crianças mais velhas que agiam como padrinhos para os irmãos mais jovens, começando com a sétima ou nona criança. De acordo com contos folclóricos desta parte do mundo, os lobisomens recrutariam novos membros pelo excesso de crianças. Crianças nascidas com parte do âmnio, ou parte do saco amniótico cobrindo seu rosto - poderiam ser mais suscetíveis a se tornarem lobisomens, ou, de modo inverso, curandeiros.

Os lobos não existem em grande número no mundo industrial - talvez seja a razão pela qual muitas histórias atuais sobre lobisomens têm lugar nas cidades. Nas partes industrializadas do mundo, a ideia de lobisomens, ou de lobos de um modo geral, pode parecer distante e arcaica. Talvez esta seja a razão pela qual mais e mais descrições apresentem a licantropia como uma condição controlável. Os lobisomens são pessoas comuns com um faro aguçado que apresentam-se de modo desagradável por alguns dias a cada mês.


Muitas são as passagens históricas mais cabe a nós decidir em o que acreditar, principalmente pelo fato de as maiorias dos fatos citados anteriormente como assassinatos de "supostos lobisomens" não serem confirmados, como em todos os casos eles simplesmente poderiam ser assassinos loucos entre os mais outros motivos de pensar que uma pessoa é um lobisomem. Mais uma coisa é certa, eu sempre amarei os lobisomens, e nem todos os sonhos são inúteis! Terminamos aqui A origem do Lobisomem, verdade ou mito? e gostaria muito de saber sobre o que os leitores do blog pensam! Deixem suas opiniões e em qual dos dois lados você acredita!


12 comentários:

  1. Na minha humilde opinião, lobisomens podem até existir,mas hoje em dia é muito arriscado atacar como provavelmente faziam na idade média ou mesmo moderna. O homem hoje tem muita tecnologia a seu favor, logo se um lobisomem seja ''bom'' ou ''ruim'' quiser aparecer para o mundo, seria muito mas muito arriscado. Ou ele morreria por um tiro de fuzil, ou acabaria na mesa de um cientista '-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com voce! É exatamente isso que tenho em mente também!

      Excluir
    2. Bom eu realmente acredito na existência deles!!! mais ñ acredito e são seres assassinos e sim seres predadores

      Excluir
  2. Creio que todo mito têm a sua origem.Sou fascinado por criptozoologia e tive a chance de conhecer um pouco mais da história da Fera do Gévaudan,assim como ler o maravilhoso livro da folclorista Maria do Rosario de Souza Tavares de Lima, "Lobisomem:assombração e realidade".Hipertricose,porfíria e a psíquica licantropia são explicações chaves para decifrar o mito.Mas um dia por acaso li um livro do pastor William Schnoebellen (Entrevista com um ex-vampiro) que afirma que lobisomem existe e que eles vivem em colônias.Não posso rotular esse pastor de louco,e tampouco não aceitar essa explicação.Há até uma tradição que diz que São Cristóvão era pertencente a tribo dos Cynocéfalos,"cabeças de cão", e sua representação na igreja ortodoxa é com cabeça de cachorro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você tem um amplo livro de conhecimentos em sua mente!

      Excluir
  3. cara vc conhece muito sobre a lecantropia e queria que vc nao parace com seu trabalho incrivel pq estou ficando viciado no seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! E não se preucupe que nao irei parar com o blog! pode ficar tranquilo! rsrsrs

      Excluir
  4. a minha vó disse que o pai dela lutou contra um lobisomem em tão eu acredito que seja real

    ResponderExcluir
  5. Olha, vou ser sincera, a família das minhas primas tem um passado com lobisomens. A avó delas me contou o q havia acontecido, não sei se é verdade ou não. Desde pequena eu acredito nas historias sobre lobisomens, em tudo sobre eles, e na existência deles. Eu acho q já vi um na vila onde eu morava ... foi assustador, e incrível. Enfim, mtas pessoas falam q é idiotice acreditar neles, mas cara, TUDO é possível !!! EU acredito, e mais um monte de pessoas, e eu quero muito entrar em contato cm eles ... tip MTO !!!!!!
    Mais alguém aqui acredita na existência deles ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também acredito Ana Capelle, caso queira compartilhar suas experiências com o blog e todos os outros leitores, dê uma passada no Espaço do Leitor e compartilhe! ;)

      Excluir
  6. Há diferenças entre Lobisomens/Lobismulhers e Homens-Lobo/Mulheres-Loba.
    O primeiro grupo possui conceito semelhante ao de Werewolf, o qual é um ser que possui a aparência semelhante a um lupino mas com características humanas, vivendo em colônias, tendo poderes místicos etc.; enquanto que o segundo grupo é consequência de pactos, maldições, vindo a se transformarem em algo semelhante à loba/lobo, temporariamente.
    Não possuo fontes que me sustentem nessa tese, mas já li debates em fóruns em inglês que discutiam essa diferença de conceitos.
    Como estudante da doutrina espirita, acredito que existam seres licantropos, mas no mundo espiritual, os quais podem ou ser ingênuos ou possuírem inclinação ao mal ou com disposição a auxiliar e proteger o meio ambiente em que habitam.
    Quanto aos homens/mulheres-lobos/lobas, não creio na possibilidade de existirem no meio físico, mas no espiritual, sim.
    Existem várias obras espíritas sérias que retratam casos e fatos envolvendo tais grupos de seres que se transformam ou são assim naturalmente, em escala evolutiva.
    Possuo projetos pessoais que abordam tais criaturas - assim como duendes, gnomos, sereias etc. - e espero, sinceramente, que os apreciem quando vierem a se tornarem realidade.
    Abraços fraternos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...